POESIA

Elos

Todo dia a mesma coisa,
Acordar, café, sol e gentes,
A menina, a esperança, a confiança.
A vitamina, o suco verde da verdura.

O perigo, a bola, a árvore, a criança.
O cheque-frio, a calça apertada.

A polícia fofoca vizinha.
A bicicleta, pneu furado.

O dinheiro, o disco, a agulha que está arranhando.
A música boa, atropelada.

No ônibus, a lua de mel
Cala o gole que desce.

O olho certo, visão errada
A mão lisa, consciência gelada
O medo forte, o abraço na angústia, o jornal seco
Os leitores molhados, assunto marcado.

Pássaro voando, o homem vacilando
E a vida no asfalto.

O sol cascando, a viola crescendo
Ela chegando, você calado
Ela saindo, você gritando, filhos em gritos
O pai desligado, e ela ficando.

No peito enganos, morrendo nos pés
Que vão marcando.

Depois do além, vem o aquém
Depois do espaço, vem o cansaço
Depois do amor, o sofrimento
Depois da terra, velhas fugindo
Depois coragem, o medo morre
Depois do elo, a corrente, e a chave...

E o outro ELO?!

(Jose Machado Veríssimo. Elos. Disponível em: http://uneversos.com/poesias/92906

Siga a Vila Veron nas redes sociais!
   
Rua Zaqueu Brandão, 598 - Bairro São José - Aracaju/SE
79 99991-8555 / 3085-8555
Aceitamos Cartões
Passos
© Villa Veron Pizzaria. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Danilo Macedo